Novas configurações familiares

Finalizamos o Ciclo de palestras Como nos afeta nossa Época do Instituto Tempos Modernos, e a palestra foi a respeito das transformações que a família sofreu nos últimos tempos.

As palestras e os debates tiveram como ponto alto, o fato de estarmos atentos às mudanças pelas quais os indivíduos, ou melhor, o sujeito, sofre ao longo de sua vida e das transformações sociais. Não sendo diferente com aqueles que fazem parte de uma família.

Família tradicional, composta, monoparental, homoparental…o mais importante é saber como estão colocadas as funções dentro da família: a função de mãe e a função de pai.

Quando falamos de função, em psicanálise, isso significa que ela pode ser exercida tanto por alguém do sexo masculino quanto do feminino.

Logo, tanto um casal heterossexual pode funcionar como uma família saudável, quanto um casal formado por duas mulheres e seus filhos, dois homens e seus filhos, uma mulher e seu filho, um homem e seu filho, uma avó com seus netos, etc.

Contanto que nessa família haja respeito, proteção, amor, transmissão dos valores, da ética e principalmente a imposição dos limites e das diferenças entre as gerações, para ficar claro quem manda, as funções serão sustentadas.

De quem é a autoridade?

Se esses limites e essa diferença não operarem, os filhos (as crianças) ficarão à mercê de seus impulsos destrutivos.

Pai e mãe têm que deixar bem claro qual é sua função: cuidar, ensinar, transmitir os valores, ensinar o que é certo e errado e, principalmente, dizer aos filhos o que eles podem ou não fazer!

Somente assim, eles poderão se constituir como sujeitos de deveres, direitos e desejos. Para isso acontecer os pais devem tratar seus filhos como sujeitos separados deles e não como objetos.

Andreneide Dantas
Psicanalista e Psicóloga
Diretora da Escuta Analítica — Clínica de Psicanálise

Palestra Novas Configurações Familiares

 

#escutaanalitica1

Fechar Menu